Gosto de te ver de pijama
pela casa
Imagino há quantas vidas
Já repetimos o antigo riual das noites

E penso
O que será que nesta vida
reciclado dos antigos hábitos
E o que serão outros que adquirimos agora?

De qualquer forma
Reconforta-me
reencontrar-te

(tão belo esse novo envólucro de alma,
ainda que fosse necessário que
rompêssemos tabus, e que ainda
te espantes que seja eu,
uma igual ao lado teu)

E é nesse aconchego seguro de espinhos
Que escorro pelos dias chuvosos

2 comentários:

Cristiano disse...

Poesia cotidianesca, palavras aconchegantes.

Daniela Duarte disse...

Desculpe a invasão!!!

Ana te lendo eu descobri:
Você é dos girassóis no asfalto
Lingua afiada que se prolonga nas horas
Faz bem esse teu jeito de quem descobriu por onde começar...
Tua palavra é urgente
Ao mesmo tempo que reintegra afasta...
Pitacos de uma demente que quase não dorme durante a noite!!!
Beijos e mais um